expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

#Quero Ver/Ler #4

Oi, :)

Nossa, quanto tempo não posto essa 'coluna' O.o' rs'
E, com certeza não foi por falta de filmes/livros que eu queria ver/ler *--*
Hoje encontrei dois filmes e um livro que eu quero muito conferir; então está oficialmente 'reaberta' esse tipo de postagem no blog \o/  - tinha me esquecido do quanto gostava desses posts ^^

#Quero Ver


Prós ~> O trailer *---* (tá bom, motivo ruim ¬¬' rsrs')  Na verdade eu não me lembro muito da história de Senhor dos Anéis - mesmo que O Hobbit não seja uma continuação, e sim uma história que aconteceu antes de Senhor dos Anéis - mas, me lembro do que senti, pelo menos. Lembro que fiquei fascinada pelo mundo apresentado por Senhor dos Anéis e sua história (vou rever a trilogia antes de assistir esse filme o/) e, mesmo que seja ruim criar expectativas, foi inevitável pra mim *-*...e, ok, foi por causa do trailer também! rs'

Contras ~> Comecei, mas não consegui terminar o livro no qual essa história é baseada; isso sempre me deixa com um pé atrás. Já que a história não conseguiu me 'fisgar' na escrita - que, é definitivamente sempre melhor que a adaptação - chego pra ver o filme, com certo receio, achando que vou acabar desistindo do filme também.

Mas, isso não vai mesmo me fazer desistir do Hobbit *--*


#Quero Ver²

Prós ~> Sempre tive curiosidade sobre o livro ( tenho, preciso, ler antes de ver o filme *.*) e, mesmo que não tenha 'concordado' com vários coisas no trailer, ainda assim ele me deixou curiosa. Com o ar de mistério e magia...amor sobrenatural (meu gênero eternamente favorito) o filme parece ter a pretensão de ocupar um lugarzinho vago criado por uma tsunami literária e cinematográfica *cofcofcrepúsculocofcof* assim como vários outros estúdios estão tentando - desesperadamente, diga-se de passagem - fazer. Parece ter uma ótima história, que quero mesmo conferir. :)
Contras ~>  Como eu disse, há várias coisas no trailer que eu não concordei. Principalmente os atores que - mesmo sem ter lido o livro - não combinam com a idade dos personagens que vão desempenhar. Dá certa impressão que o estúdio resolveu investir na história, mas esqueceu que em uma adaptação pra mim, tem que se dar uma atenção especial a descrição dos autores a cerca dos personagens, pra que só assim as pessoas que leram possam ver o filme como se a história da qual gostaram - ou não - criasse 'vida' ( ou algo menos dramático O.o' rs')

#Quero Ler


Prós ~> As palavras " esse livro me fez lembra de Os 13 Porquês". Palavras de uma blogueira literária que atiçaram minha curiosidade automaticamente ao ler sua resenha. Depos de ler o livro de Jay Asher fiquei muito sensível a esse tipo de temática; o Bullying e suas consequências. Mas, diferentemente de os 13 Porquês esse livro não será narrado pela vitima e sim pelo provocador. A personagem principal sofre um acidente e "morre" - sim, nesse livro faz todo sentido colocar 'morre' entre aspas O.o' - só que ela acorda revivendo o dia em que ela morreu, mas sem poder evitar o desfecho final do acidente mesmo que tente. Diante disso, durante os 7 dias de replay que ela vive, ela tem a oportunidade de se ver de verdade, como ela tratava as pessoas por ser popular e oimpacto que suas palavras e atitudes podem ter causado na vida das pessoas. Além de se apaixonar... tarde demais. - não é spoiler! Esta tudinho na sinopse =P kk'

Contras ~> A personagem principal é uma patricinha....tipo, no nivel mais auto que as patricinhas americanas podem ser.  Li o primeiro capítulo disponível e isso me incomodou; o fato de ela dizer qual a cor exata de suas unhas e das de suas amigas, se elas combinaram ou não com a saia de torcida...blá.blá.blá. É cansativo, talvez tenha sido o modo da autora mostrar como ela muda durante a história, mas ainda assim faz com que seja dificil seguir a leitura mesmo que a história tenha uma sinopse realmente interessante.

~*~

Bom, esses são os filmes e o livro que eu quer ver/ ler. *---*
Estão em alguns dos primeiros lugares da minha gigante lista O.o' rsrs'

E você, já ouviram falar ou querem ver/ ler algum deles? :)

~> Beijusss...;*

Após a Meia Noite


Levante-se.
A história ainda não acabou.
Se o seu final feliz não veio, vá busca-lo.
Só não baseie mais sua vida e suas decisões nos contos de fada.
Só não se perca nas escadarias do castelo; quebre o protocolo... arranje um jeito de saltar da torre.
Esqueça o que a fada disse sobre você fugir a meia noite, apenas fique lá, no centro do salão e deixe que a magia se vá. Deixe seu príncipe te ver como você realmente é e não tenha medo.
Não era o vestido, não era a carruagem...era você. Não importa como você parecia, não entende? Não importa o que você estivesse vestindo... ele olhou em seus olhos e viu você.
A garota que lutou e chorou para estar ali. Para chegar até ele. Que merecia mais do que ninguém o seu lugar naquele salão.
Porque de alguma maneira você simplesmente sabia que vocês eram um do outro mesmo antes de tê-lo conhecido.
Saber e crer, em seu coração é toda a magia de que você precisa.
Ele é o príncipe, você a princesa...estão exatamente onde deveriam estar; nos braços um do outro.
Então, quando o relógio soar não se mova, não hesite...não tenha medo.
Abrace com todas as forças seu final feliz.
Não se esconda, não tenha vergonha de quem você é. Olhe nos olhos dele durante todo o processo, quando seus vestidos voltarem aos trapos, seus pés ficarem descalços...
Só...olhe nos olhos dele.
Ele vai ver. Eu sei que vai.
Ele vai ver você.

#EuLi&Vi - P.s Eu Te Amo ~ Cecelia Ahern

Antes de começar a resenha queria agradecer muito a Pah - novamente ^^ - porque foi através do blog incrível dela, o Livros e Fuxicos, que eu ganhei esse livro (e também Charlotte Street que logo terá resenha *--*) através de uma promo.
Realmente aconselho que todos visitem seu blog, é lindo além do que, ela é uma das pessoas mais legais e gentis que já conheci e escreve muito bem resenhas e posts variados :)

Mas, bom, vamos a resenha? =P

~*~


Sempre que termino um livro, paro e tento pensar em uma única palavra que possa...defini-lo talvez.  Como ao ler Cante Para Eu Dormir, que a palavra mais do que justa foi alma. Mas, com P.s Eu Te Amo eu não consegui. Talvez porque "Gerry" não podia ser essa palavra rsrs'

Ou talvez porque Cecelia Ahern tenha me presenteado com milhares delas.

Acho que todo mundo sabe - mais ou menos - o que se passa nesse livro. É a história de Gerry e Holly, um casal -almas gêmeas- que tinham tudo para serem felizes para sempre.

Infelizmente, uma doença tira Gerry de Holly cedo demais e, quando ela pensa que não suportará a dor, ele - mesmo após sua morte - consegue mostrar a ela o quanto a ama. Deixa envelopes, um para cada mês que serão os mais difíceis e nos quais ela terá que aprender a viver sem ele.

“ Lágrimas rolaram por seu rosto ao analisar a lista de nomes em sua agenda de telefones. A maioria das pessoas entre seus contatos não tinham sequer telefonado desde a morte de Gerry e, assim, ela não tinha mais a quem recorrer (...)
Teclou o primeiro número que lhe veio a mente.
‘Oi, aqui é o Gerry. Deixe seu recado após o sinal e ligarei de volta assim que puder.’
- Gerry, - ela começou a chorar – Eu preciso de você.”


Me lembro que chorei muito ao ver o filme pela primeira vez- e também nas outras 365 vezes que o reassisti O.o' rsrs' - por isso, ao pegar esse livro achei que seria impossivel superar as emoções que o filme havia me dado. Pela primeira vez achei que faria uma resenha dizendo com todas as letras que preferia o filme.

Mas, a autora me surpreendeu.

O filme não poderia ter tudo o que as palavras de Cecelia Ahern me deram ao mesmo tempo em que o livro por si só não teria me feito entender por completo a vida que Holly havia perdido.

"Detestava não sentir excitação alguma e não ter nada por que ansiar. Sentia falta de ser amada. Sentia falta dos olhos dele sobre ela quando entrava em um cômodo; sentia falta dos seus toques, seus abraços, seus conselhos, suas palavras de amor.

O filme e o livro se completam de uma maneira que eu nunca vi uma adaptação fazer.

O modo como a autora escreve faz você passar pelo mesmo processo de cura lento e doloroso que Holly está passando; faz você 'habitar' nela e entender que não há nada mais ridículo do que dizer a alguém que tudo ficará bem quando se perde alguém.

“Direi que fico fula da vida sempre que me dizem que o tempo cura quando, ao mesmo tempo, também dizem que a ausência aumenta a saudade, o que em deixa confusa, porque quer dizer que quanto mais tempo passa, mais eu sinto falta dele.”

E foi impossível não me apaixonar por todos os personagens de Cecelia, mesmo que eles tivessem algumas mudanças em relação ao filme - Daniel por exemplo; no filme não tem nada a ver com o livro! Já que em um ele é um atrapalhado e no outro ele é perfeito. Outro personagem que me surpreendeu por ser diferente foi a mãe de Holly; no filme ela é uma mãe cujo marido a abandonou e por isso é meio ranzinza e não se aproxima dos filhos e no livro ela é muito bem casada e é a base de Hollly. - 
Tirando isso, nas páginas, os sentimentos de Holly testemunhados no filme foram infinitamente mais fortes e reais. Além do que, foi mais fácil perceber o quanto suas amigas Sharon e Denise foram, além das cartas de Gerry, essenciais para que ela não 'morresse' junto com Gerry como queria.

“ Perdida e sozinha. Chorou por Gerry, chorou por si mesma com soluços fortes que faziam suas costelas doerem sempre que tentava recuperar o fôlego. Não queria mais ficar sozinha e não queria que sua família visse a solidão que ela tentava esconder de todos. Só queria Gerry de volta e não se importava com mais nada. Não se importaria se ele voltasse e eles discutissem todos os dias, não se importaria se eles não tivessem dinheiro e nem casa.


Só queria ele.”





Já o filme, foi o maior responsável pela meu amor por Gerard Butler!! Gerry já que no filme conhecemos Gerry pela memória de Holly e, assim como ela, nos apaixonamos também.


“Não conseguia se desapegar.
Não conseguia se desapegar porque não queria, não queria se desapegar porque ele era tudo o que ela tinha.
Mas ela não o tinha, por isso se sentia perdida e confusa.”


Na minha opinião, depois de Orgulho e Preconceito, essa foi a adaptação que teve a melhor escolha de atores para os papéis principais. A química entre eles, e o ótimo trabalho trouxe a história a um novo nível *-*

Por isso eu digo que se você pretende ler o livro não pode perder o filme e vice versa. É uma história de amor que merece ser conhecida - e amada - de todas as maneiras.

Pela qual você vai se apaixonar :)





“Guarde nossas lindas lembranças. Mas, por favor, não tenha medo de criar outras.
Obrigada por em dar a honra de ser minha esposa. Por tudo, sou eternamente grato.”


Algumas coisas...



"E se amanhã não for nada disso, caberá só a mim esquecer.
Eu vou sobreviver.
O que eu ganho, o que eu perco...
Ninguém precisa saber."
~Lulu Santos - Apenas mais uma de Amor ~

...precisam ser ditas.
Algumas coisas precisam ser ouvidas.
Por mais que machuquem, essas mesmas coisas, ás vezes, tem o poder de mudar tudo pra sempre.
Porque, só a partir do momento que você ouve algo que destrói - como adeus, como... eu não te amo - talvez seja só a partir dai que você se torna capaz de seguir em frente.
De virar a página ou talvez, se não for o suficiente, fechar enfim o livro.
Dizem que o que aprendemos na dor nos torna mais forte; talvez aqui haja o mesmo princípio.
Algumas dores são necessárias.
Ás vezes você precisa deixar esse alguém sair da sua vida.
Ás vezes você precisa dizer adeus.

#EuLi - Belo Desastre - Jamie Mcguire




Antes de começar a resenha, tenho até um recado para a todas as donas das resenhas que li, principalmente a resenha da Mah que me alertaram que eu teria uma verdadeira relação de amor e ódio com esse livro e com a história:
Vocês estavam tãão certos!

~*~

O livro é contado sobre o ponto de vista de Abby, uma garota aparentemente normal, mas que tenta esconder a todo custo - embaixo de sua pose e roupas certinhas - um passado do qual ela quer escapar.
Em uma noite, ao assistir uma luta amadora, seu caminho acaba se cruzando com o de Travis, alguém que luta por dinheiro, cafajeste (embora já tenha sido chamado de coisa pior) e um tremendo babaca ás vezes - um cara que, de certa maneira, representa tudo que ela deve escapar.
No fundo ela sabe que eles seriam um desastre juntos... mas como escapar de algo que, pouco a pouco, se torna irresistível?

~*~

Sabe o tipo de livro que você termina, encara a última página, a última frase por um longo momento... e não sabe quantas estrelinhas no skoob ele merece? rs'

É isso que sinto em relação a Belo Desastre da autora Jamie Mcguire.

A escrita da autora é incrível, te prende rapidamente e quando você se dá conta, já está na página 300 e poucos em poucas horas -leia-se; caso você seja eu ¬¬'- ávida por mais; mais da história, mais brigas, mais romance, mas tudo...Mais Travis.

Como é que vou falar do Travis?

Bom, começo assim; eu não estou apaixonada por ele rs' Pela primeira vez, não invejo a protagonista.
Quer dizer, havia momentos em que ele era um verdadeiro príncipe encantado, gentil, atencioso, romântico. O cara perfeito de verdade. O ser humano que a Abby tinha descoberto por baixo do ar arrogante, das tatuagens e da cara de mal. Ele se transformava simplesmente no cara que a amava e - literalmente - respirava ela.


* Abby: Está acabado. Vá pra casa.
Travis: Você é minha casa.

Dá pra entender como ás vezes o cara era perfeito? =P rs'

Mas, então, em outros momentos ele se transformava em um cara completamente dependente e assustador - doentio até. De uma hora pra outra, eu estava dentro do clip da Rihanna e do Eminen da música " Love the Way You Lie". Ás vezes nem sequer dava pra sbaer, se eu torcia pra que Abby ficasse ou não com ele...mesmo sabendo que ela era a única que realmente poderia salvá-lo.

"Você está tentando salvá-lo e ele realmente acha que você conseguirá.
Vocês são um desastre."

Mas, então, ele saia com frases como essa que me deixava ainda mais confusa:

" - Você acha que eu sou boa demais pra você.
- Não consigo pensar em um único cara que seja bom o bastante pra você"

Sobre a Abby, ela se tornou facilmente uma das minhas mocinhas preferidas. Ela não é do tipo que fica lutando consigo mesma mentalmente se pode ou não ficar com ele. Ela viveu o suficiente para saber que Travis não é a escolha mais sábia e por isso se afasta. Mesmo que ele seja um cara difícil de se afastar.
Além de que, ela não fica batendo na tecla do mistério ao redor do passado dela o tempo inteiro, e isso costuma sempre me incomodar em histórias desse tipo. Nada de frases como " Será que ele ainda me amaria se soubesse a pessoa que eu fui?", Eu não o mereço, meu passado me condena" - e todas essas coisas que com o passar irritam a leitura e que te dão a impressão que o mistério é tão insignificante que a autora tem que ficar te lembrando toda a hora de que há um mistério e que isso vai te motivar a ler até o fim.

Com Belo Desastre não é assim, e isso me animou a chegar a última página de uma forma voraz *-*

Então, pesando tudo no fim, eu indico esse livro. Mesmo que me tenha me causado raiva, vontade que o Travis sumisse em várias páginas, vontade de gritar com ele... uma infinidade de sentimentos.

Acho que é uma daquelas leituras que um leitor precisa experimentar; ao som de 'I Can't Get No', por favor rsrs' :)

~> Beijusss...;* 

Contos de Fadas me Ensinaram




“Entenda: não existe amor que não doa. O amor, pra ser amor, precisa ser verdadeiro. E as coisas verdadeiras às vezes machucam.”

- Clarissa Corrêa -


Você se lembra da maçã envenenada, da madrasta cruel... dos dragões que guardavam as torres?
Essa era a maneira dos contos de fadas te alertarem que o amor não seria fácil. Não seria só príncipes, vestidos longos, bailes e beijos de amor eterno.

Até mesmo as princesas tiveram que lutar pelo seu final feliz.

Então, não vou mentir pra você, o amor dói as vezes. O amor é mais difícil do que você é capaz de supor.
Mas, ele também é melhor do que você é capaz de imaginar.
De alguma maneira, ele faz valer a pena todas as lutas com dragões, todas as maçãs envenenadas do mundo...
Porque coisas verdadeiras, machucam... mas te transformam de uma maneira que nenhuma força no mundo conseguiria.
Coisas verdadeiras te tornam melhor.
E o preço de amar é acreditar que, depois de toda a luta e desesperança ainda há algo pelo qual vale a pena lutar...porque quando você pára de acreditar no amor, você pára de merecê-lo.

E eu não consigo imaginar destino mais triste que esse.

Novidade Literária - Finale

Permitam - me?
- AHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHH'!! - *-------*



Bom...é...Me sinto melhor =P

Bom, pra explicar, vou dar uma novidade que já não é tãão novidade; foi lançado o Book Trailer de Finale, o último livro da (minha saga preferida *--*) Hush, hush... mas eu tenho uma ótima explicação para não ter postado antes:
Eu tinha proibido a mim mesma de assistir.
Sério, eu não estou aceitando muito bem o fato de que esse será o último livro e que, depois disso, não terei mais o Patch (dramática, eu? -.-')
O que importa é que acabei me convencendo de que, assistindo ou não, não vai ter jeito rs' Por isso, fazem segundos que vi o book trailer pela primeira vez e... nossa *---* Se eu achei que Silêncio havia sido incrível, Finale promete muito, muito mais *-------*

Tem mais ação, muuuito mais romance e tudo para que esse seja o melhor livro de toda a série. E Nora... não sei bem oque aconteceu com ela, mas ela se transformou totalmente da garota certinha do primeiro livro para alguém que sabe o que quer e que simplesmente vai pegar - uma mistura de cria do Bruce Lee com Buffy - e quem conhece Patch sabe que foi totalmente influencia dele O.o' rs

Bom, melhor, vou deixar assistirem por si mesmos - e, se adorarem tanto Patch, Nora e a escrita de Becca quanto eu...pirem também *O*



Finale, já foi lançado essa semana nos EUA, mas só será lançado no Brasil só no comecinho do ano que vem. - Cruel, eu sei ¬¬'

Bom, era isso. Espero que tenham gostado tanto quanto eu (:

P.s: licença...acho que vou assistir de novo *---*

~> Beijusss...;*

Entrevista - Os Sete Cavaleiros de Algord

Olá, :)

Quem acompanha o blog sabe que, recentemente, fiz uma resenha do primeiro livro do autor Michel Fonseca, chamado A Torre - um livro que me fez ter ainda mais fé no talento de autores brasileiros.
O autor está divulgando seu trabalho e deu sua primeira entrevista a uma rádio chamada My Way e, claro, não poderia deixar de compartilhar com vocês ^^

Assistam *-* :


"A primeira entrevista do novo programa da Rádio My Way é com o autor do livro 'Os sete cavaleiros de Algord' Michel Fonseca. O carioca de 31 anos escreveu seu livro que é um conto de ficção, que nasceu a partir de um sonho, que ele conta para o entrevistador Leonardo Lobo."

~> Beijusss...;*

[Eu Li] Cante Para Eu Dormir - Angela Morrison


Oi, (:

Essa é, provavelmente, a resenha mais curta que já fiz de um livro. Mas, aprendi - ou pelo menos é minha opinião - que você não precisa se demorar a falar de um livro porque gostou dele. Se você descrever com o coração o que sentiu ao lê-lo...as pessoas simplesmente sentirão também. E saberão tudo o que você quis dizer não importa quantas palavras tenha usado.

E por alguma razão, acho que será o suficiente.

Sinopse



Cante para eu dormir revelará a dura realidade da vida, a energia firme da amizade e mostrará que o verdadeiro amor transcende tudo. O livro conta a história de Beth, uma garota que sofre bulling e passa toda sua infância sendo rejeitada por sua aparência. As únicas pessoas a aceitá-la são sua mãe e seu melhor amigo, Scott. Mas tudo isso fica para trás quando ela é convidada para ser a vocalista do coral da escola e recebe a transformação que lhe dará a oportunidade de conhecer um amor que vai além de tudo, até mesmo da própria vida.Derek é tão lindo, tão doce, tão fantástico que Beth acha que não merece, mas quer experimentar, mesmo estando á milhas de distância. Porém, existem segredos não revelados entre eles.A história reúne as mais profundas emoções humanas: decepções, tristezas, alegrias, amores e paixão, muita paixão, que ficará gravada em cada coração por muito tempo, mesmo depois do término da leitura.




Não sei o que dizer sobre esse livro. De verdade.

Se eu pudesse descrevê-lo em uma única palavra eu escolheria Alma. Esse livro tem mais alma do que qualquer outro que já li. E por isso, e por vários motivos - mesmo que possa estar movida pelo fato de ter acabado de termina -lo - ele se tornou assim, meu preferido de todos que já li.

É sensível, é puro...Usando as palavras de Derek - é imaculado.

É a história mais incrível que já li sem precisar de qualquer artificio pra isso...só sendo real.

E seu fim... foi como respirar depois de ficar um tempão embaixo d'água e só assim eu percebi o quanto fui abraçada e envolvida pela história de Derek e Beth. Uma história mais cheia de amor em suas 353 páginas, no que na soma de qualquer de todos os livros que já li.

Lindo e puro... sei lá, não sei explicar. Explicar sentimentos é mais difícil. E o que eu senti depois de ler essa história é único demais para que eu consiga dizer.

O tipo de história que só te faz ter certeza que livros podem dar muito mais ao leitor do que uma distração. Livros podem te dar coisas que você leva dentro de você - muitas vezes até sem que você perceba - para sempre.

E, não importa quantos livros eu ainda leia, sempre haverá Cante para eu Dormir habitando em uma grande parte de mim.

"Quero algo puro... imaculado.
Seja isso pra mim."

E, por hoje, Amor...



"O amor comeu meu nome, minha identidade, meu retrato. O amor comeu minha certidão de idade, minha genealogia, meu endereço. 
O amor comeu meus cartões de visita. O amor veio e comeu todos os papéis onde eu escrevera meu nome.
O amor comeu minha paz e minha guerra. Meu dia e minha noite. Meu inverno e meu verão. Comeu meu silêncio, minha dor de cabeça, meu medo da morte."
- João Cabral de Melo ~ Os Três Mal- Amados -

E pra esse tal de Amor, desculpe, mas você não é bem vindo.
Sei que provavelmente minha opinião vai mudar daqui a semanas, dias...daqui a vinte e quatro horas. 
E sei que vou te querer de volta, e todo o sentimento e misto de bem e mal que você gera, mas...só por hoje; o amor não é bem vindo.

Da última vez que você entrou Amor, foi como a mistura de um terremoto, um ciclone...e qualquer outra coisa mais impactante que exista por ai. Você veio Amor e fez o que quis... como sempre. Você sempre faz o que quer, não é?

E me deixou pra limpar a bagunça.

Me cortei com os estilhaços espalhados pelo chão... em meio a lembranças e cartas lançadas ao vento, eu me perdi.

Então Amor, se resolver dar as caras, não espere que eu te espere de braços abertos... meus braços estão muito ocupados abraçando a mim mesma pra não partir ao meio.

Só por hoje Amor, você não pode entrar. Não ligue, não me venha com promessas de um amor que será eterno dessa vez... mantenha distância.

Meu coração está surrado, partido e desiludido... Mas, eu sei que ele não vai desistir.
Eu sei que vou implorar por você Amor, daqui a pouco... sei que vou querer sentir você...daqui a pouco.

Mas, por enquanto, fique longe de mim.

Never...Ever


- Não se preocupe comigo -, ela sorriu - Se ele me machucar, eu simplesmente vou esquecê-lo.
Inalei lentamente o ar de outubro, ao lado dela, sentindo que só nas últimas duas semanas eu voltara a respirar. Dividia minha vida no período Anterior e Posterior a ele...
Nada, nunca, será igual.

E invejei a ingenuidade dela... a facilidade com a qual ela observava o que ela estava prestes a fazer; se apaixonar. Loucamente - afinal, qual amor não tem traços de loucura? - mergulhando fundo de mais para conseguir voltar a superfície.
Sem sequer se dar conta.
Eu me enxerguei nela; eu também já fora a garota que não tinha medo do amor.
Na mente dela, eu podia adivinhar, não havia nada mais simples do que se livrar de um amor mal sucedido. Como apagar com força uma palavra errada no papel e restar apenas leves marcas nele; apenas lembranças. E com memórias, ela pensava, memórias não a matariam.
Quis dizer a ela, que jamais seria tão simples. Que o amor não te deixa mesmo quando vai embora. Que ele fica impregnado em sua pele, dificulta a sua respiração... que depois da passagem dele, ela jamais seria a mesma.
E que isso teria um lado bom e outro ruim com os quais ela inevitavelmente teria que aprender a conviver.
Queria dizer que caso ele a machucasse, mesmo assim ela ainda a amaria. O amor teimaria em permanecer, mesmo quando já não houvesse sequer uma chance...e então ela aprenderia que ás vezes as lembranças dão sim, a clara impressão, que poderiam te matar.
O quão irônico seria morrer de amor?

Queria dizer que seria melhor que ela desistisse antes mesmo de começar... Que havia uma chance em um milhão.
Mas, uma parte de mim, a que contava e fazia pedidos as estrelas, a que achava que o amor verdadeiro estava por ai, queria também dizer a ela que não importava quais fossem as chances ela deveria se agarrar a isso. Dizer que ela deveria ser mais forte do que jamais fora, por que o amor não foi feito para covardes.
Uma parte de mim, que havia sobrevivido a experiência de quão amplamente o amor pode destruir, queria só dizer a ela que o amor valia a pena sim.
Que as lembranças que talvez a machucassem também, contraditoriamente, a fariam viver.
Queria dizer a ela, tanta tanta coisa...
Mas, só o que escapou de dentro de mim e da eterna batalha entre o 'eu' dizimado e o 'eu' que mantém a fé foi:

- Faça dele o seu Felizes Para Sempre.

Os 7 Cavaleiros de Algord – A Torre




Pra começar, esse foi uma das historia de fantasia mais diferentes que me aventurei a ler. E isso, com certeza, não era uma coisa ruim.
Quer dizer, eu estava acostumada a histórias mais...baseadas em lendas e que, mesmo que te transportassem a uma nova realidade, sempre te deixavam próximo do que você conhece como real.
A história dos 7 Cavalheiros de Algord foi diferente disso.

No início a história segue por dois caminho diferentes, ao mesmo tempo que acontecem lado a lado. O primeiro caminho é pelo qual conhecemos Mick Fronsac e seus seis melhores amigos, pessoas comuns e isso torna a história mais...real, sei lá rs. Pelo outro caminho conhecemos, em outro galáxia, o planeta distante Tood-Sil’s que vive em intensa guerra. Uma grande luta entre o bem e o mal que parece rumar para caminhos tortuosos.

A história começa, quando esses dois caminhos se chocam.

Durante uma festa, Mick e seus amigos acabam sendo abduzidos e levados a esse planeta em guerra. O motivo? Eles são a reencarnação de sete Cavaleiros que são vitais para a vitória do bem contra o mal naquela guerra.

Assim que descobrem a verdade, um intenso treinamento começa enquanto o objetivo não é só ganhar a guerra, mas também chegar a Torre e finalmente conseguir uma chance de voltar pra casa.

Não vou falar muito mais sobre a história em si, para não estragar nada para quem pretende ler rs’ Mas, o que posso dizer é; eu realmente gostei de tudo. Foi bom sair um das histórias comuns do gênero fantasia e, quase literalmente, embarcar para uma atmosfera completamente diferente. O ator nos possibilita não só acompanhar a história, mas vê-la também. Sério, em alguns momentos eu pude imaginar com clareza as roupas dos personagens, as armas inumanas... e até mesmo visualizar os personagens em si. Gosto quando os autores me dão essa possibilidade.

Além do que, foi bom ler algo de um autor nacional. Quer dizer, isso não significa menosprezo aos autores internacionais, de jeito nenhum – até porque, nem tem como, sendo alguns deles os meus favoritos -, mas acho incrível quando autores brasileiros juntam sua criatividade e força e apostam em si mesmos, fazendo com que várias pessoas do país e - porque não dizer de fora dele? – façam o mesmo também. J

Dou meus parabéns para o autor,  Michel Fonseca, por acreditar em si mesmo e por criar um mundo diferente – literalmente – através de seu livro.

Depois de tudo isso é desnecessário dizer, rsrs’ Mas, indico ;)

~> Beijusss...;*

O Príncipe Errado

" Você nunca vai encontrar o cara certo,
senão deixar o cara errado ir"
- Tati Bernardi -

Talvez eu deva seguir seu conselho, Tati Bernardi.
Talvez eu deva deixa-lo ir.
Mas, eu só queria saber se é normal que doa tanto.
Se é normal que eu chore noites inteiras por alguém que eu sei que é o cara errado. Que eu sei que não é por quem eu tenha esperado.
É normal ter o coração partido e a mente impregnada por ele, mesmo que eu saiba que só estou tentando encaixa-lo em um final feliz que não é dele? Em uma história que não pertence a ele.
Meus sentimentos estão claros dentro de mim...no entanto há uma parte de mim que se contorce na ausência dele.
Embora eu saiba que ele não pode curar a falta que o cara certo me faz... o cara errado mantém a dor longe das minhas feridas. Ele não tem o poder de cicatriza-las, mas ainda assim o alívio da presença dele, parece o suficiente.
Uma parte de mim, Tati Bernardi, precisa dele,
Porque talvez o cara errado seja mesmo o príncipe...talvez o erro seja que eu não sou a princesa certa.
E eu não sei bem o que fazer com esse meu egoísmo de querê-lo aqui quando a única coisa certa a se fazer é deixa-lo ir...
Mas, você está certa Tati.
Você está certa.

Apenas uma carta...pra Você


Eu não queria que terminasse assim.
Espero que você saiba.
Só me pergunto; isso é mesmo um fim?
Talvez seja egoísta, mas eu não queria te deixar sair da minha vida.
Mas, talvez eu deva não é?
Talvez eu deva te deixar ir.
Mas eu só queria dizer que...eu vou sentir sua falta. Muita.
E vou sentir falta também de quem eu sou quando estou com você. A dramática e boba que não tinha medo...porque você sempre estava lá.
E isso bastava.
Acho que você pensa que eu não me importo, e eu até tentei fingir que não, porque talvez seja melhor.
Talvez eu deva te deixar ir.
Espero que você se lembre, que você saiba, o quanto você é importante...o quanto eu gosto de você.
Embora essas talvez sejam as palavras erradas pra te dar agora.
Mas, no fundo eu sei que você sabe...você ainda é meu amigo convencido.
Acho, que finalmente estamos trocando cartas, embora essas não sejam como a gente planejou.
Com certeza não como eu planejei.
Você é uma das últimas pessoas que eu machucaria no mundo e espero que saiba e sinta...
Que sinta tudo o que eu quis dizer.
Porque essa carta perdida é pra você.

Poeira das Estrelas


Eu só não quero esquecer.
Não importa quão masoquista isso soe.
Mesmo que doa e rasgue o peito...eu lutaria por essas lembranças com unhas e dentes.
Elas são minhas...e, o mais importante, são suas.
São tudo o que restou.
Como poeira que restou das estrelas...
E eu não quero esquecer.
Como um tipo de dor que te lembra que um dia você teve algo que valeu a pena...e que ainda vale a pena lembrar.
Porque, não importa quanto tempo passe, eu ainda quero lembrar o modo exato como você sorria...e a primeira ver que eu vi você.
E vai doer, eu sei que vai... O gosto de 'nunca mais' sempre estará no céu da boca.
Mas o gosto do seu beijo ainda estará aqui...e isso terá que bastar.
Ainda quero lembrar o modo como me abraçava do nada sem que eu precisasse pedir. Quero lembrar de cada piada sem graça, de cada discussão inútil... de cada adeus que não durou nem meio segundo.
Até mesmo as lembranças ruins; sua teimosia, seu 'q' de estou sempre certo...nosso orgulho que fazia nossas brigas durarem mais do que deveriam.
Eu não quero esquecer.
Quero que haja sempre em minha mente um pedaço de você que eu possa visitar quantas vezes quiser...uma lembrança sua que eu possa abraçar quando a dor for tudo o que consigo ver.

Não importa se doe, se me faz sangrar...se me parte em duas.

Eu não quero esquecer.


I Love You 'Till The End


Não me olhe assim.

Eu só não sei exatamente como seguir em frente quando alguma parte essencial ficou em algum lugar lá atrás... em um passado jamais distante.
Em um sábado a noite nada qualquer no qual você me chamou pra dançar sob a chuva. Não havia ninguém na rua para nos ver, aquele casal pouco provável, mas você disse que eu e você sempre seriamos o suficiente.
Então, nossos passos molhados foram guiados por "I Love You 'Till The End" e eu sorri levando os olhos ao céu para agradecer e senti que as gotas de chuva eram a melhor resposta que eu podia querer.
Você rolou os olhos para minha teimosia, mas ainda assim sorriu quando eu te fiz prometer que assistiríamos "P.s Eu Te Amo" juntos pela milésima vez, assim que voltássemos pra casa.
Você me perguntou mais uma vez porque eu gostava tanto do final não tão feliz daquela história e eu sussurrei que ela me fazia dar mais valor a melhor coisa que já havia me acontecido. Você pressionou seus lábios demoradamente em minha testa e eu lhe confessei que você era tudo o que eu precisava.

Me debati como um peixe fora d'água quando a lembrança se apagou, deixando um vazio pior que a própria dor.
Como seguir em frente quando tudo o que se deseja é se afundar nas cartas e fotos espalhadas pelo chão da sala, e viver aqueles instantes para sempre?
Como seguir quando você sente que um soluço pode te partir ao meio?

Da Mente ao Coração


Por...que?
Quando?
Em que momento você baixou a guarda e se apaixonou tanto assim?
Por que ele?
O que no sorriso bobo, nos gestos despreocupados...o que nas palavras lindas nas quais você jurou nunca mais cair acabou fazendo esse estrago?
Você tinha prometido lembra? Prometido a si mesma que não. Nada de amor, de se amolecer com palavras bonitas, de sorrir feito boba quando alguém disse que sentiu sua falta.
Você prometeu. Eu posso até tentar evitar pensar nele, mas você tem que parar de machucar essa garota.
Nenhum de nós, nem eu mente, nem você coração...nenhum de nós quer isso.
Já fomos ambos dizimados uma vez...já sabemos oque é destruição.
E ela não quer mais se apaixonar você não vê? Dói, lateja... parte ao meio. E ela chora quando pensa nisso.
Você deveria saber. Os golpes mais duros foram em você, nesses casos o coração é quem mais sofre.
Mas, a mente fica doente. Eu juro que tentei não lembrar...juro que tentei distraí-la com todas as forças que pude, tentei fazê-la ver aquele cara incrível, logo ali ao lado dela, mas ela não viu. Seus olhos estavam cegos por eles; as lágrimas incapacitavam-lhe a visão.
Ela não quer viver aquilo mais uma vez... e você, coração, não ajuda.
Tínhamos combinado que eu assumiria a partir daquele momento, lembra?  Ser racional machuca menos, as vezes. Ser racional muitas vezes é o melhor.
Afinal, o que pensar através do coração dela, trouxe de bom? Além de lembranças incríveis... que ela desesperadamente tenta esquecer.
Além de ferimentos dos quais ela não consegue se curar.

Aniversário (:


Mais uma vela sendo apagada hoje, mais um ano... Com mais mudanças do que eu imaginei, com certeza.
Ainda me lembro do meu primeiro post e exatamente do que senti ao escreve-lo. Muitas coisas mudaram, mas isso não; eu ainda amo esse lugar e tenho orgulho das pessoas que conheci aqui.
Já está se tornando meio clichê, meus agradecimentos...mas o que posso fazer se e o que quero dizer mesmo? rsrs'

Muito obrigada. De verdade. Por terem, de uma maneira única, passado por tudo o que passei ao meu lado. Por terem sentido várias coisas que eu senti através de meus texto e, por até terem sonhado junto comigo.

Muitos dos que descobriram-me nesse lugar já não tenho mais contato, outros infelizmente desistiram da blogosfera, enfim...um milhão de coisas aconteceu. Mas eu não me esqueci de nenhum deles, de vocês, nem acho que vou um dia. Vocês foram e sempre serão importantes...suas palavras foram essenciais, não só para o crescimento do Letras Eternas, mas para mim como pessoa.

Muito, muito obrigada :)

E... parabéns pra mim =P rs'

~> Beijusss...;*


Acima das Nuvens



Então, você me fez sorrir sem qualquer pretensão.
Nossos risos se uniram no ar e, eu não sei se foi magia ou só minha imaginação, mas eu pude jurar que o som da nossa risada se uniu no ar em espiral se tocando e se unindo no topo como um redemoinho de um único som.
E quando eu percebi que aquele som seria, a partir daquele momento, o meu preferido em todo o mundo... o som que eu gostaria de ouvir pelo resto dos meus dias.
Eu soube.
Era você por quem eu estava esperando.
E foi estranho o fato de eu sequer me perguntar porque você havia demorado tanto. Não importava mais...eu não queria falar.
Eu queria só olhar pra você...pra sempre.
Você sorriu, totalmente alheio a minha descoberta.

E eu voltei pra casa em uma nuvem.

#EuLi - Os 13 Porquês - Jay Asher




- Sinopse -
"Ao voltar da escola, Clay Jensen encontra na porta de casa um misterioso pacote com seu nome. Dentro, ele descobre várias fitas cassetes. O garoto ouve as gravações e se dá conta de que elas foram feitas por Hannah Baker - uma colega de classe e antiga paquera -, que cometeu suicídio duas semanas atrás. Nas fitas, Hannah explica que existem treze motivos que a levaram à decisão de se matar. Clay é um desses motivos. Agora ele precisa ouvir tudo até o fim para descobrir como contribuiu para esse trágico acontecimento."

~*~

Intenso. Essa é a primeira palavra que me vem a cabeça ao lembrar da história de Hannah Baker.

É um livro...real. Não sei, de "carne e osso", sabe? Aquele livro que você mergulha nele e consegue sentir tudo pelo que Hannah passa; sente isso em sua própria pele. Você compartilha o que ela sentiu e, mesmo que não concorde com os 13 motivos dela, é incapaz de não ver aquela situação...pelos olhos dela.

Mesmo sabendo o final logo pela sinopse do livro (sobre o suicido eu quero dizer) foram poucas as personagens pelas quais torci tanto. Acho que eu esperava que Hannah fosse completamente diferente; bem mais depressiva em suas fitas ou sei lá, talvez uma adolescente dramática.
Hannah não é. Hannah não quer chamar a atenção. Hannah está sofrendo.
Mas, Hannah passou por muita coisa nessas 256 páginas. E o pior, passou por tudo sozinha. E isso é o que é o pior você fica com aquela impressão de que se você estivesse lá, você poderia salvá-la. É estranho, mas é um sentimento incrível. Você imagina milhares de coisas que você poderia ter dito a ela, milhares de modos de fazê-la entender que por mais que ela se sentisse assim, ela não estava sozinha.

Sabe aquele personagem que você tem vontade de tirar de dentro das páginas e abraçar com força e dizer que tudo ficará bem? Essa é Hannah.

Fica claro em suas gravações que ela não é uma...louca suicida sabe? Ela sabe que precisa de ajuda. Ela QUER ajuda. Mas, algumas vezes por não ter sido clara em seus pedidos de ajuda, as vezes por ter encontrado pessoas que não se importavam, ela não teve alguém que lhe estendesse a mão. E, ao se apegar a ela através do livro, é isso que você quer ser. Você leitor, quer que não aconteça. Quer...fazer qualquer coisa para parar Hannah porque você sabe que ela quer ser parada.
É um sentimento até meio sufocante, mas você não consegue parar de pensar nisso durante todo o livro.

E quando ele acaba... meio que me senti como se estivesse saindo á superfície depois de ficar muito tempo embaixo d'água. Sério, pode parecer exagero, mas essa história me sugou de uma maneira que eu não achei que seria possível. Eu vivi aquilo tudo, eu senti tudo aquilo...eu estava lá.
E, como Clay, eu queria ter impedido Hannah.

Uma das minhas partes preferidas do livro: 



"Eu queria contar tudo pra você. 

E isso machucava, porque algumas coisas eram assustadoras demais. Algumas coisas nem eu entendia. Como poderia contar a alguém - alguém com quem eu estava conversando pra valer, pela primeira vez - tudo o que eu estava pensando? 
Eu não conseguia. Era cedo demais. 
Ou talvez, fosse tarde demais."

A Contadora de Estrelas





~* "Eu te odeio", disse ela para um homem cujo crime único era o de não amá-la. 
"Eu te odeio", disse muito apressada.
Mas não sabia sequer como se fazia. (...)
Onde aprender a odiar para não morrer de amor? *~

- Clarice Lispector -


E se perdeu, o que ela planejava dizer...
O "Eu te odeio" ficou preso em algum lugar entre seu coração e a garganta... tirou-lhe o ar.
Porque quando ela olhava pra ele, ódio era a última coisa que sentia.
Queria que ele nunca houvesse dito a ela que ela não habitava em seu coração...mas agora era tarde demais.
A ignorância, ela pensou em meio a dor, seria uma benção agora.
Os contos de fadas mentem... o amor não cura tudo.
Ela quis poder exorcizar esse amor gritante que lhe partia o peito... e ele, sem culpa alguma, não fazia idéia da batalha que ela travava dentro de si.
Queria ser forte o suficiente para ali mesmo, onde ela finalmente soubera que o amor era unilateral, que ali mesmo ela pudesse arrancar aquele sentimento de dentro de si e jogá-lo no chão aos pés dele.
E ela queria odiá-lo. Mas não podia.
Não quando seus olhos, olhavam pra ele...e enquanto ela chorava ele não sabia o que fazia ao certo; se ficar e abraçá-la ou partir como se assim levasse a dor.
Ela viu em seus olhos, e isso foi o que mais doeu...ele nunca quis machucá-la.
Mas que diferença fazia? Seu coração estava partido do mesmo jeito.
Queria gritar com ele, com todo o ar que tinha em seus pulmões debilitados... queria cerrar os punhos e bater contra o peito dele com toda a força que tivesse e perguntar...
Perguntar oque? Nem mesmo ela sabia.
Talvez perguntar por que ele não a amava. Embora ela soubesse que essa seria a única pergunta a qual ele não poderia respondê-la.
No entanto era a única que importava.
Tentou pronunciar novamente as palavras que ela pensava que queria dizer... mas não podia. Não queria.
O amava.
Mas, não queria mais sentir.
Queria se desligar ali, naquele momento... queria que houvesse algum botão que parasse aquilo tudo. Queria desistir.
Porque seu amor não a queria... não havia final feliz algum ali.
Mas, ela...pobre garota que contava estrelas... por algum motivo que ela nunca entenderia...talvez puro masoquismo, queria permanecer ali.
Naquele lugar onde ela colocou as cartas na mesa... e viu o vento levá-las.
Naquele momento em que seu coração jamais partido, percebeu que o amor não é de frases e poesia... é de lamento.
Ficou ainda mais triste ao lembrar-se da poesia. As exatas 17 cartas que ela tinha na bolsa, as quais durante o último mês havia escrito pra ele.
Pensou em entregá-las, mas faria alguma diferença agora?
Pensou em jogá-las fora como o amor que dedicara, mas era um pedaço seu e dele habitando-as...Um pedaço do qual ela não podia se livrar, ainda não...
Lembrou-se do desenho, meio rabisco, que havia feito do rosto dele... perguntou-se se poderia olha-lo novamente sem partir ao meio.
Quis rasgá-lo... mas sabia que não teria coragem.
Quis esquecer...
Quis não ser mais uma garota com o coração partido, quis...tanta coisa.
Quis não morrer de amor.

2# Nossos Escritores ♥

Oi, :)

Bom, faz tempo que eu não posto nada nessa..."coluna" por assim dizer =P Mas, então descobri novos escritores brasileiros que, só pelas resenhas de seus livros tem boas idéias + talento o que, junto com perseverança e um 'empurrãozinho' de quem acredita na carreira de escritos, tem tudo pra dar certo *-*

Hoje, resolvi falar de uma trilogia, chamada "Os 7 Cavaleiros de Algord" escrita por Michel Fonseca. O primeiro livro livro já foi lançado em Dezembro do Ano passado e se chama “Os 7 Cavaleiros de Algord – A Torre” e o segundo (que será lançado em Novembro desse ano *-*) se chamará “Os 7 cavaleiros de Algord – Face a Face”.

Segue as capas dos dois livros - que diga-se de passagem, me encantei por ambas...com esse tom sombrio que sempre me atrais para o livro *---*) e a sinopse do primeiro (:


- A TORRE -


 A Torre é o primeiro livro da Saga “Os Sete Cavaleiros de Algord” e conta a historia de Mick Fronsac e seus seis amigos que são abduzidos para Galáxia Irione, mais precisamente para o planeta Tood-Sil’s, assim que chega Mick conhece a jovem Celina D’Kiet, mas logo são separados pelo Capitão Silk Aydu que leva Mick para o palácio Sil’s. Lá ele reencontra seus amigos e conhece o General Ivaniv Koor, que conta que eles são a reencarnação de sete cavaleiros que viveram em um planeta chamado Algord e que a misteriosa morte deles deu origem ao Império Sarac que domina a galáxia há mais de vinte anos sob a liderança do Imperador Telvarius Sarac.
Koor pede para eles se aliarem ao RAS “Revolução Anti-Saracsista” que tem como seu principal objetivo derrubar o Império Sarac e devolver a liberdade para a galáxia, os sete jovens aceitam e se aliam ao movimento, começando assim um intenso treinamento de combate e de adaptação ao seu novo mundo.

Os Sete Cavaleiros de Algord iniciam uma guerra para reconquistarem a Torre de onde partem os Mops galácticos que cruzam o universo e que podem levá-los de volta para casa, mas ela foi dominada pelo império, que deseja utilizar os mops para expandir seu domínio pelo universo.”

- FACE A FACE -

Face a Face é o segundo livro da Saga “Os 7 Cavaleiros de Algord” onde cinco meses após a reconquista da Torre, Morales e Luiz são enviados ao planeta Ocheam com a missão de investigar o envolvimento do Império Sarac com os Piratas Galácticos no fornecimento de minério de lars para o império, sendo que este metal é somente comercializado pelo ganancioso Drirom Rentor.
Em meio a essa investigação eles acabam descobrindo que o império mantem secretamente uma fábrica de armas em uma região remota do planeta Ocheam e que o minério contrabandeado abastecia a fábrica. Mas a missão dos cavaleiros foi interrompida com uma mensagem do General Ivaniv Koor, que ordenou para que os dois retornassem a Tood-Sil’s para se reunirem aos outros e partirem para o planeta Algord.
Em Algord os cavaleiros ativam as sete torres para recebem uma mensagem holográfica do falecido rei de Algord Ted Tolemam que os ajudariam a desvendar o enigma sobre a morte dos Sete Cavaleiros de Algord. Mas a aparição de um misterioso cavaleiro abalará definitivamente os objetivos do RAS (Revolução Anti-Saracsista) fazendo Silanos e Ocheaneses se unirem aos Cavaleiros de Algord mais uma vez para destruírem a fábrica de armas e descobrirem a identidade do misterioso cavaleiro das sombras.”



Minha opinião: Bom, ainda não li os livros, mas com certeza não foi por falta de vontade. *-* Fantasia, é com certeza um dos meus gêneros favoritos, e eu não consigo não ficar impressionada com a criatividade a mais necessária pra esse gênero. Criar uma nova realidade de maneira...acreditável, é para poucos. E, só pela sinopse, dá pra ver que esse livro - além de trazer uma nova realidade que parece muito legal - une a eterna luta do bem contra o mal - que eu sinceramente, adoro ver - além de não transformar tudo em...felizes pra sempre, entende? Mesmo uma mundo da fantasia não é perfeito...a paz é um objetivo a se conquistar não importa em que "planeta" você esteja. (:

E então, ficaram tão interessados quanto eu nessa história?

Se quiser saber mais sobre os livros clique aqui:

Meias Verdades


"Eu penso em você...
E sonho com você o tempo todo"
- 3 Doors Down -

Eu nem sei explicar.
Eu só sei sentir... e parece o suficiente.
Sinto sua falta de uma maneira que você nunca irá compreender.
Fico tentando adivinhar o que você sente, mas não consigo. Você precisa me dizer.
Uma palavra sua; e eu nunca mais falo de amor pra você.
É assustador demais deixar que esse sentimento cresça, sem saber se ele está fadado a morrer sozinho.
Eu preciso saber, mesmo que a resposta me machuque então.
Meias verdades não mantêm um coração inteiro.
Essa dúvida não me deixa parar de pensar na possibilidade de nós dois...Por que eu não tenho certeza se isso não tem nenhuma chance de acontecer.
Então, me faça saber. É melhor do que me iludir e ter o coração partido de qualquer maneira. Me faça saber.

Basta uma palavra sua...
E eu nunca mais falo de amor pra você.

#EuLi - O Menino do Pijama Listrado



~*~
Esse livro me surpreendeu. Acho que é o comentário mais verdadeiro que posso fazer para começar.

Nunca pesquisei muito sobre a história embora sempre tivesse curiosidade acerca do livro e isso foi ótimo no fim. Me fez apreciar o livro de uma maneira que ter lido resenhas ou ouvido comentários anteriores não teria permitido.

Ao pegar o livro, a primeira coisa que pensei foi que ele seria talvez uma..."versão masculina" - já que o personagem dessa vez era um menino - do livro A Menina que Roubava Livros.

Mas, eu fico feliz em saber que estava enganada.
Quer dizer a temática é a mesma; o nazismo...mas é diferença observar tudo aquilo pela inocência dos olhos de uma criança de 9 anos.

Uma das coisas que mais pensei ao ler "O Menino do Pijama Listrado" foi em como é diferente ter lido por vários anos escolares, como o nazismo matou milhares de pessoas. Mas, agora eu percebi que ao ler aquelas informações em livros didáticos, aquelas pessoas tomavam a aparência de apenas números. Não importa quantas mil pessoas eu tivesse lido que haviam morrido naquele período, é completamente diferente quando, de certa maneira, você conhece uma delas.
Shmuel.
Não me lembro de ter me apegado tanto a um personagem antes. Talvez ao Rudy de A Menina que Roubava Livros, mas ainda assim havia algo diferente em Shmuel não só porque ao contrário de Rudy ele era judeu, mas havia algo que o autor nos permitiu captar nele.
Talvez esperança...ou fé. Algo maravilhoso, seja o que for, em tempos como aqueles.

Em como, através de Bruno você vê tudo pelos olhos dele.

O fim, mesmo que eu não vá acrescentar spoiler foi estranhamente o que eu supus que seria. E foi o certo, pra mim pelo menos embora eu saiba que algumas pessoas provavelmente não concordariam.

Ainda assim, acho que esse livro não teria me encantado tanto se não tivesse seguido o que seguiu.

Para os nazistas não havia inocentes.

Não falei muito sobre as história em si, propositalmente. Quero que você tenha exatamente as mesmas surpresas e se encante sem pretensões...como eu. Talvez o motivo dessa resenha seja só...compartilhar o sentimento que tive ao ler esse livro.

Talvez eu deva terminar essa resenha com uma frase de A Menina que Roubava Livros, mesmo que como eu disse esse livro tenha enfim escapado a comparação.

Não me perguntem o porque, ela simplesmente veio a minha mente milhares de vezes ao ficar longos minutos em silêncio com o livro fechado contra o peito após terminado.

Esse trecho fala sobre o ponto em que o nazismo matou milhares de pessoas na frança:

"Eles eram parisienses.
Eles eram franceses.
Eles eram VOCÊ."

Broken



"Não é algo que vai curar rápido.
É muito mais complicado.
Não existem remédios para corações partidos."

- Caio F. Abreu -

Eu queria dizer que vai passar rápido...que daqui a pouco não vai mais doer.
Uma dessas milhares de promessas que fazemos a crianças enquanto elas agarram seu joelho esfolado.
"Se você parar de chorar, vai parar de doer" prometemos "Um beijo vai curar"...
Mas isso não se aplica a vida real não é?
Eu tento me convencer que sim... que a vida mudará quando meus olhos não estiverem mais embaçados pelas lágrimas...que eu vou sobreviver, seja lá o quanto isso custe.
Ou talvez a segunda parte sim, possa ser real, por que eu sinto que poderia ser curada por um beijo...vindo exatamente de quem me machucou.
É loucura...mas, ele ainda tem a cura.
Não importa o que ele tenha feito...eu acho que meu coração não consegue enxergar nele nada que o possa condenar.
Eu sou dele.
Ele é meu.
E mesmo que ele afaste de mim ele sempre estará aqui.
Em cada letra, em cada lágrima... em cada pensamento e lembrança.
Em cada batimento meu.
E essa dor, infelizmente, segue comigo também...por que meu coração não consegue expulsar de mim qualquer coisa, dolorosa ou não, que venha dele.
Como se meus anti corpos não conseguissem detecta-lo como ameaça não importa quão grande seja a sua capacidade de me tornar menos viva a cada dia.
E não, não vai doer menos amanhã...a dor só perderá o foco quando a vida começar a andar de novo.
Não é tão simples assim se livrar de um coração partido...ou reconstruir o que foi dizimado.
No entanto eu ainda queria aquele beijo que os contos de fada me prometeram.
Aquele capaz de curar tudo...e mesmo que ele não curasse, ainda assim senti-lo bastaria.

E ás vezes...


...bate aquela vontade meio boba, meio impossível de se desligar...
Desligar mente e coração nem que seja por um segundo.
Porque ás vezes pensar dói demais...e sentir cansa, como lutar uma guerra perdida.
E esse é aquele estranho momento em que você quer fechar os olhos e respirar preocupação alguma... quer que o ar não escape dos seus pulmões com som de lágrimas contidas...
Quer que pare de doer, só para seu coração conseguir bater uma vez sequer sem sangrar.
Só um momento de paz...uma pequena oração em sua mente cansada de sentir, de amar...de sentir dor.
De amar quem não ama você.
Porque dói...por que é assustador demais precisar tanto assim de alguém que não precisa tanto de você...por que é desigual, e é terrível ter sempre alguém que ama mais, que morre mais na distância...que se perde mais quando não encontra o outro.
Porque é terrível ser esse alguém.

Náufragos


"E eu desistiria da eternidade para te tocar
Pois eu sei que você me sente de alguma maneira
Você é o mais próximo do paraíso que chegarei
E eu não quero ir para casa agora"
~ Iris - Goo Goo Dools ~

Talvez não seja saudável querer aprisionar assim, esse momento. Como manter entre as mãos segundos de uma eternidade.
Ter medo de respirar, ou de fazer qualquer outro movimento que possa te acordar, por que eu sei que isso só traria mais uma vez, milhões de desculpas por não me amar...por se sentir egoísta por me manter aqui.
E eu sequer sei que nome dar a mim mesma por só querer um segundo disso; dessa doce mentira.
Desse silêncio que é só nosso e que realmente não tem nada a dizer.
Todas as palavras já foram ditas, todas as lágrimas derramadas...As primeiras eram suas; as segundas eram minhas...
Esse segundo, de uma farsa consentida, em que eu finjo que essa noite, você adormecido ao meu lado, nada mais é que um segundo a mais de uma rotina perfeita. Um segundo entre milhares que ainda serão nossos.
Mas, eu sei que quando você acordar a consciência trará a dor de volta. A saudade de outro alguém que eu não posso ser...uma parte sua que eu não posso alcançar, não importa quais sejam meus esforços pra te manter inteiro.
"Shhh" eu sussurro, aos tocar com leveza os vincos de suas sobrancelhas unidas e, de uma maneira ou de outra eu sei que os pensamentos que te assombram em seus sonhos tem o rosto dela, o nome dela e as milhares de vezes em que ela jogou o seu amor, que seria tão precioso pra mim, pela janela...E eu não entendo, mais uma vez, por que você sempre volta...sempre, sempre...
Como se houvesse algo nela que te torna incapaz de seguir em frente...a menos que ela esteja com você.
Ah, sim. Esse sentimento, eu entendo. Embora quisesse não compreender.
Somos dois náufragos; você e eu. 
Perdidos em nós mesmos, amando quem não deveríamos. 
Pedindo ajuda a quem se nega a nos salvar.