expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

Damn


Eu estava sorrindo, é disso que me lembro - afinal, em que segundo de nós dois eu não sorria? - e foi então que eu soube.
E de todas as coisas que eu poderia ter pensado só uma palavra emergiu em minha mente.
"Droga!"
Eu sei que qualquer outra garota estaria pensando em coisas mais românticas como na maneira como o sorriso dele consegue chegar até os olhos, e naquela covinha misteriosa do lado esquerdo que tem um magnetismo que me torna incapaz de não tocar seu rosto quando ela aparece.
Talvez estivesse pensando no modo como as mãos dele estão me mantendo perto, ao redor de mim acariciando distraidamente meu braço, como se me protegendo de qualquer coisa do mundo e ele parece nem perceber. Ou em como ele presta atenção em cada movimento meu como se eu fosse o ser mais lindo e perfeito da terra.
Mas, eu só consigo pensar que... Droga.
Estou definitivamente... me apaixonando.
Pensei que tinha tomado todas as precauções, pensei que tinha tudo sob controle... mas olhando pra ele eu não posso deixar de pensar que eu não posso imaginar minha vida sem vê-lo cada vez que eu abrir meus olhos. Que se um dia ele já não me olhasse dessa maneira não sobraria mais nada de mim.
Olhando para ele eu soube...soube que era dele.
E que nada no mundo mudaria isso.
Como se algo quente o suficiente estivesse me modificando e moldando por dentro, atingindo e me fazendo ver de maneira diferente tudo em que eu acreditava...
Agora esse cara, que tinha penetrado todas as barreiras que criara, tão sutilmente que eu nem percebera até agora. Esse cara de olhos chocolate que conseguem aquecer da maneira que mil sóis não conseguiriam...
Esse cara...agora era uma extensão de mim.
Talvez, 'extensão' seja a palavra errada, ele era mais como... Um pedaço meu há muito perdido, do qual eu sentira falta sem perceber e que se encaixara tão perfeitamente a mim como se nunca tivesse se perdido.

E que essa era a coisa mais perigosa que eu poderia ter feito.

Talvez para a maior parte da população isso não soasse tão apavorante quanto pra mim, mas... é.
Várias garotas por ai, com seus corações partidos e lágrimas nos olhos poderiam confirmar minha teoria; o amor é uma coisa terrível.
Como eu não percebi isso vindo?
Deveria ter percebido o modo como o toque do telefone me fazia pensar automaticamente nele e desejar que fosse ele do outro lado da linha. Deveria ter percebido que eu inventava qualquer desculpa para tocá-lo e que distraidamente escrevia o nome dele sem querer...
Eu deveria ter percebido, visto os sinais e o modo como ele escorregou pra dentro do meu coração me deixando sem saída.

Eu era dele agora...irrevogavelmente e, de alguma maneira, isso me aquecia o peito de uma maneira que eu não queria me permitir sentir.

Droga.

Deveria ter percebido... mas agora não importa.
Não mais.

Olhei de novo pra ele que, alheio a todos esses pensamentos afastava uma mecha do meu cabelo a colocando atrás da minha orelha. Encostava o nariz em minha bochecha e então aspirava lentamente e me dizia que eu tinha cheiro de uma flor da qual eu nunca havia ouvido falar.

Eu poderia ter dito 'Eu Te Amo', mas o 'Droga' ainda estava preso na garganta, mesmo que já não fizesse mais tanto sentido. No entanto agora, meu interior recém modificado, via as coisa de outra maneira.
Sim, essa ainda era a coisa mais perigosa, arriscada e assustadora que podia me acontecer.

No entanto por você, por um segundo que fosse de você... valeria a pena.
Ao mesmo tempo em que uma eternidade de você...

Ainda não bastaria.

7 comentários:

  1. Participe do concurso em comemoração a um ano do blog Concurso

    ResponderExcluir
  2. O amor nos faz criar textos realmente incríveis. E o seu, é amável. Adorei.

    Tudo Tem Refrão

    ResponderExcluir
  3. que lindo... será que é estranho dizer qe eu penso a mesma coisa quando eu vejo que eu to apaixonada? kk..
    De onde vc tira inspiração pra textos tão perfeitos? *-*
    bjoos

    ResponderExcluir
  4. ai Day,
    acho que sou nesse texto kkkk'
    droga!
    as vezes tudo que eu queria era a imunidade de todo esse sentimento romântico,que nem denominar...MAS...mas...
    eu paro por aqui...sem forças pra terminar,talvez seja uma inegável atestação de que estamos vivos,o amar,o sentir...talvez um carma...eu não sei...
    ...
    enfim,
    lindo texto,
    ele cruza com os meus em tantos pontos kkkkk'
    mas continua lindo ainda assim...
    ...
    beijo princesa e até!!
    =]

    ResponderExcluir
  5. Dayane :)
    Como vai?
    Lindo texto *-*
    Estas amando é? lindo texto *---*

    Saaudades de ti >.<
    Abandonou o msn também é? kkkkkk

    Beijos e cuide-se

    ResponderExcluir
  6. talvez te conforte, talvez não... mas o meu primeiro pensamento também é "droga"...

    ResponderExcluir
  7. Oi Amanda,

    Ok, obrigada pelo convite :)

    Oi Ágata,

    Fico super, super feliz que tenha gostado. O amor muda qualquer um ;)
    Obrigada *.*

    Oi Mari,

    Saudade sua :)
    Obrigada. E, na verdade não =** rsrs' Quem nunca se sentiu tão traumatizado a ponto de pensar isso? ;)

    Ownnn' que gentil *---* Obrigada Mari :)

    Oi Dê,

    Kkk' Sério?? O.o'
    Sabe as vezes a gente pensa que amar pode ser uma maldição, mas então a gente se arrepende quase instantaneamente né? O mundo não seria NADA sem amor ;)

    Obrigada :)
    Cruza com o seu, sério? Isso é um elogio *-*

    Oi Sandro,

    Bem e você?? :)
    Obrigada *----*

    Secret =** Kkk' Obrigada ^^

    Desculpa, -sei que já disse isso, rs - mas vou entrar lá assim que der para nós botarmos o Smallville em dia *-* Kk'

    Oi Maiara,

    Quem nunca se pegou pensando assim? =S O amor, uma vez não correspondido, deixa o medo de amar incrustado na pele ;)

    ~> Beijusss a cada um de vocês...;*

    ResponderExcluir

Adoro comentários, então dê sua opinião e eu respondo aqui mesmo,certo?
E ah, claro, deixe o link do seu blog que eu vou retribuir a visita com todo o carinho ♥